UNIDAX https://www.unidax.com.br We believe. Always! Wed, 24 Apr 2019 20:34:43 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=5.1.1https://www.unidax.com.br/wp-content/uploads/2017/12/UNIDAX_110x110-100x100.pngUNIDAX https://www.unidax.com.br 3232Microsoft Power BI VS Tableau VS Qlikview https://www.unidax.com.br/blog/2018/07/09/microsoft-power-bi-vs-tableau-vs-qlikview/ https://www.unidax.com.br/blog/2018/07/09/microsoft-power-bi-vs-tableau-vs-qlikview/#respondMon, 09 Jul 2018 22:14:35 +0000http://www.unidax.com.br/?p=1218Read more about Microsoft Power BI VS Tableau VS Qlikview[...]]]>Microsoft Power BI

O Microsoft Power BI oferece uma das mais baixas opções de preços por usuário para as empresas que procuram aplicativos baseados em nuvem e de Business Intelligence (BI). As empresas que escolhem o Microsoft Power BI fazem isso por causa do baixo custo total de propriedade (TCO), facilidade de uso e disponibilidade de recursos qualificados.

A Microsoft está muito focada em ser líder em análise e BI do ponto de vista do TCO. As empresas interessadas em licenciar e usar o Microsoft Power BI podem acessar a plataforma por um investimento baixíssimo por usuário por mês.

Em conjunto com outras ofertas da Microsoft, incluindo Azure, SQL Server Analysis, transmissão de dados em tempo real e R-Analytics, o Power BI fornece uma ampla gama analítica.

Se a empresa já possuir portais de relatório ou aplicativos, é possível incorporar os relatórios e painéis do Power BI e se ter uma experiência unificada. O Power BI também permite unificar todos os dados da organização, estando eles na nuvem ou localmente.

Tableau

A empresa está investindo fortemente em análise avançada dos dados, agrupamento, segmentação e funções de análise mais poderosas. A interface amigável permite que usuários não-técnicos criem, de forma rápida e fácil, painéis de controle personalizados para fornecer informações detalhadas sobre uma ampla filtragem de dados. O Tableau pode se conectar a quase todos os repositórios de dados, que vão do MS Excel aos clusters Hadoop.

Muitas vezes, os potenciais usuários se perguntam qual é a diferença entre Tableau Desktop, Tableau Online e Tableau Server. Simplificando, o Desktop é usado para criar e formatar relatórios / gráficos e publicá-los em um painel. O servidor compartilha os painéis. O Tableau Online é a solução de BI baseada em nuvem.

QlikView

Os dois aplicativos mais populares são QlikView e Qlik Sense. Ambos aplicativos são frequentemente usados em áreas de negócios principais, incluindo vendas, marketing, operações, serviços e as áreas mais comuns de uso de análise em organizações, contabilidade e finanças.

O QlikView tem uma reputação de ter uma curva de aprendizado maior. A vasta gama de ferramentas de BI da QlikView pode ser aprendida usando seus tutoriais on-line de aprendizagem. O produto vem acompanhado de inúmeros tutoriais, guias de instruções e outros recursos de autoajuda.

Tableau vs QlikView

Qlik e Tableau estão bem combinados em todos os aspectos da análise e do BI, com o Tableau tendo a vantagem na integração da plataforma e facilidade de uso e recurso visual. Para as empresas que dependem de uma grande variedade de pontos de integração de dados, a Qlik tem vantagem dada a profundidade e amplitude de suas opções nesta área.

Power BI vs Tableau

O Tableau se destaca no fornecimento de uma série de ferramentas de visualização e opções de painel altamente interativas e intuitivas que capitalizam uma forte base de conectores de dados que a empresa criou nos últimos dois anos. A posição de liderança da Microsoft em componentes de infraestrutura, incluindo administração, segurança e arquitetura, é compreensível, dado que o Microsoft Power BI é oferecido na plataforma Azure e Suite da família Office 365.

Power BI vs QlikView

O Microsoft Power BI possui integrações de fluxo de trabalho de plataforma maiores, suporte de plataforma mais avançada para o Cloud BI devido à sua profundidade de experiência no Azure e possui uma interface fácil de usar. Devido a estes três fatores, o Microsoft Power BI é superior ao Qlik. Com uma força competitiva básica em usabilidade e design de aplicativos, a Qlik necessita construir sua estratégia de plataforma enquanto fortalece seus conjuntos de recursos SmartData Discovery e Embedded Advanced Analytics.

Resumo

Power BI, Tableau e QlikView são ferramentas sólidas de Business Intelligence. Se você estiver se conectando a bancos de dados internos existentes, armazéns de dados e outras fontes de dados são fundamentais para suas operações deve-se analisar individualmente essas soluções em relação a esses requisitos e configurações.

Se as visualizações forem seu foco principal, o Tableau é uma boa opção. A empresa e o produto são consistentemente classificados como excelente em visualizações de inteligência e há constantes investimentos em análise avançada de dados, agrupamento, segmentação e funções de análise mais poderosas.

O QlikView é altamente adaptável e fornece análises profundas de grande alcance. Ele também fornece integração com os produtos Deltek, portanto, se você usar o Deltek para relatórios de tempo e despesas ou gerenciamento de valor agregado (EVM), o QlikView é uma escolha natural. No geral, o QlikView também continua tendo uma das maiores classificações de satisfação do cliente da indústria.

O Power BI da Microsoft tem o melhor custo/benefício e se conecta perfeitamente ao MS Office. Segundo o Gartner, é a ferramenta mais importante da terceira geração de BI (End-User BI). É uma opção sólida se você precisar de acesso rápido a análises específicas ou relatórios intensivos (e tiver pessoal qualificado em consultas de dados baseadas em MS). O Microsoft Power BI é o único desses três aplicativos de análise e visualização de dados que possuem extensas integrações R relacionadas a dados, garantindo a escalabilidade dessas aplicações específicas para projetos maiores.

Após profunda análise das ferramentas existentes no mercado, o Power BI foi a solução que a UNIDAX considerou mais completa, fazendo parte de nosso portfólio de soluções para oferecermos aos nossos clientes.

]]>
https://www.unidax.com.br/blog/2018/07/09/microsoft-power-bi-vs-tableau-vs-qlikview/feed/0
BI & BIG DATA – Frequently Asked Questions (FAQ) https://www.unidax.com.br/blog/2018/07/09/bi-big-data-frequently-asked-questions-faq/ https://www.unidax.com.br/blog/2018/07/09/bi-big-data-frequently-asked-questions-faq/#respondMon, 09 Jul 2018 22:05:34 +0000http://www.unidax.com.br/?p=1212Read more about BI & BIG DATA – Frequently Asked Questions (FAQ)[...]]]>O que é BI (Business Intelligence)?

BI é um método tecnológico criado para ajudar as empresas a tomarem as melhores decisões para o crescimento. É a inteligência aplicada à coleta e à interpretação dos dados (com o auxílio de softwares de alta performance), que faz com que decisões saiam da intuição para o profissionalismo, ou seja, business intelligence é o conjunto de práticas que evitam uma espécie de “adivinhação” e garantem assertividade nas tomadas de decisão.

O que é Big Data?

Consiste em uma grande quantidade de dados não estruturados, como dados de redes sociais, web logs e dados de texto. No BI, ele entra como mais uma fonte de dados, que precisa passar pelo processo de transformação e ser armazenados no Data Warehouse para ser analisado.

O que é um Data Source ou Fonte de Dados?

São as planilhas, ERPs, CRMs, etc, locais de onde os dados são retirados para serem inseridos no Data Warehouse. Os data source são geralmente compostos por dados estruturados ou semiestruturados, onde não se pode ter redundância, e são modelados para a inserção e edição dos dados, não para a consulta.

O que é Data Mining ou Mineração de Dados?

Enquanto o BI supre as necessidades já conhecidas do negócio, o Data Mining busca por informações que não estão sendo monitoradas ainda, percorrendo os dados em busca de padrões e anomalias.

O que é Data Integration?

É o estágio onde acontece o ETL. É a etapa onde os dados são retirados das fontes de origem, transformados de forma que façam sentido juntos e inseridos no Data Warehouse.

O que é ETL e qual sua importância?

Quando falamos de BI (Business Intelligence) é quase obrigatório falarmos sobre o processo de ETL. A sigla significa Extração, Transformação e Carga (em inglês Extract, Transform and Load) e visa trabalhar com toda a parte de extração de dados de fontes externas. Essa transformação busca atender às necessidades de negócios e carga dos dados dentro do Data Warehouse ou Data Mart ou para demandas de importação e exportação de dados.

EXTRAÇÃO: é a fase em que os dados são extraídos dos OLTPs e conduzidos para a staging area (área de transição ou área temporária), onde são convertidos para um único formato.

TRANSFORMAÇÃO: é nesta etapa que realizamos os devidos ajustes, podendo assim melhorar a qualidade dos dados e consolidar dados de duas ou mais fontes.

CARGA: consiste em fisicamente estruturar e carregar os dados para dentro da camada de apresentação seguindo o modelo dimensional.

O processo de ETL hoje é considerado um dos processos mais importantes dentro de um projeto de BI. É uma das fases mais críticas. É onde fica a inteligência. É onde são definidas e implementadas as regras referentes ao negócio.

O que é a Stage Area?

Uma área temporária que geralmente está em um banco de dados relacional e fi­ca desacoplado da origem. Ela tem tabelas soltas e sem relacionamento, onde os dados são transformados para serem enviados ao Data Warehouse.

Qual a diferença entre Data Warehouse (DW) e Data Mart (DM)?

A diferença entre um DW e um DM basicamente consiste no volume de dados, abrangência e foco. Enquanto o DW foca na organização como um todo os DMs focam em um determinado departamento ou conjunto específico de usuários, por exemplo. A construção deste armazém pode acontecer de duas formas, cada abordagem têm seus prós e contras. As circunstâncias e particularidades de cada projeto é que determinarão qual utilizar.

Na abordagem Top-Down primeiro se monta o DW (corporativo) para em um segundo momento criar os DM (departamentais) ou pode-se utilizar a abordagem Bottom-Up onde primeiro são criados os DMs para em seguida montar o DW da organização.

Aplicações Data Warehouse: O DW é uma ferramenta para executivos, que visa auxiliar na tomada de decisões de nível estratégico, através da manipulação de dados históricos. É aplicável a uma grande gama de empresas dos mais diversos seguimentos.

Aplicações Data Mart: O DM é uma ferramenta menor, que da mesma maneira pode servir as mais diversas empresas, porem pode atender a um departamento especifico da empresa, como o setor de vendas ou compras, por exemplo. Por ter um custo menor de desenvolvimento, pode ser uma opção viável para empresas de menor porte e pode ser implementado modulo a modulo até constituir um DW.

O que é Arquitetura de dados?

A arquitetura de dados valoriza a base de ativos de dados de organizações e exige um processo de racionalização de dados e fluxos associados. Esta iniciativa resulta no desenvolvimento da organização de dados e modifica a visão tradicional da arquitetura de Business Intelligence.

O que é Modelagem Dimensional?

É uma forma de modelagem de dados que busca simplifi­car o banco de dados e tornar as consultas mais rápidas para sistemas de apoio à decisão.

O que é Star Schema ou Modelo Estrela?

O modelo estrela é composto no centro por uma tabela fato que é rodeada por dimensões e por isso tem o nome de Star Schema, porque parece uma estrela.

O que é Snowflake Schema ou Modelo Floco de Neve?

O modelo Snowflake também tem uma tabela fato rodeada por dimensões, mas segue o princípio de normalizar as dimensões, removendo atributos de baixa cardinalidade e criando tabelas separadas.

O que é Fact Constellation Schema ou Modelo Constelação de Fatos?

Modelo com múltiplas tabelas fato que compartilham dimensões, também conhecido como Galaxy Schema.

O que é Tabela Fato?

É a principal tabela do Data Warehouse, ela ­fica no centro do Star Schema e é rodeada por dimensões. A tabela fato armazena o que ocorreu, é o fato propriamente dito.

A fato armazena 2 coisas:

  • As métricas
  • As chaves das dimensões

O que é Tabela Dimensão?

Descreve o fato ocorrido, ela contém as características do evento. Ela vai quali­ficar, classi­ficar ou descrever as métricas que estão na fato.

A dimensão armazena 3 coisas:

  • A Surrogate Key
  • A Natural Key
  • Os atributos

O que é Cubo?

Cubo é um conceito. Serve para manipular e analisar um grande volume de dados sob múltiplas perspectivas e hipóteses. Os Cubos permitem fi­ltrar, cortar e pivotar os dados em tempo real, como em uma tabela dinâmica.

O que é Granularidade?

É o nível de detalhamento do dado. Alta granularidade é o grão, o menor nível do dado.

O que é Drill-Up, Drill-Down e Drill-Through?

Drill-Down: é quando você desce no nível de hierarquia do dado, aumentando a granularidade e o nível de detalhamento.

Drill-Up: é quando você sobe no nível de hierarquia do dado, diminuindo a granularidade e o nível de detalhamento.

Drill-Through: Ao invés de mover verticalmente, como drill down e drill up, o drill through se move horizontalmente, passando de um relatório para outro enquanto analisa a mesma amostra de dados.

O que é Data Visualization?

É a etapa onde a informação é apresentada, com dashboards, gráficos e reports.

O que é um Dashboard?

Uma das ferramentas de visualização de dados. É um painel que apresenta visualmente as informações mais importantes e necessárias para a tomada de decisão.

O que é uma Métrica?

Tudo que a empresa for mensurar é uma métrica. Elas são utilizadas para mensurar algo e são sempre números, porque precisam ser contáveis. Esses números são provenientes de transações da empresa.

O que é um KPI (Key Performance Indicator) ou Indicador-Chave de Desempenho?

É um índice para medir percentualmente as variações que ocorrem na empresa.

O que é Machine Learning?

A utilização conjunta de grandes quantidades de informação e de algoritmos de aprendizagem relativamente simples torna possível para resolver problemas que, até pouco tempo atrás, eram considerados insolúveis. Uma grande disciplina da inteligência artificial, a aprendizagem automática ocupa-se da análise de dados exploratórios para as mais sofisticadas técnicas de inferência e de classificação ou de regressão. A aprendizagem automática permite à empresa trabalhar com eficientes modelos de análise preditiva e prescritiva para antecipar e otimizar seus processos de decisão, custos e receitas.

Para que serve a Análise preditiva?

O conceito de análise preditiva está estreitamente ligado às noções de “mineração de dados”, que já estão familiarizadas na esfera de Business Intelligence. O progresso em algoritmos hoje permite que inferências sejam estendidas para além da análise das tendências retrospectivas. O objetivo agora é ajudar as empresas a obter um resultado potencial e antecipatório, a fim de produzir, em seguida, os métodos de previsão e de tomada de decisão automaticamente, com base em resultados da análise de dados.

Qual é o papel do Cientista de dados?

É um perfil estratégico raro e bem demandado. Cientistas de dados permitem que as empresas tecnológicas e inovadoras enfrentem o maior problema da nova economia digital: o do desenvolvimento da rede de dados.

O que é Visual Thinking?

Sem visualização de dados, não é possível interpretar os resultados da análise de Big Data de maneira inteligível e simples. Para orientar o foco para o que é mais importante para atingir uma tomada de decisão rápida e ideal: este é o objetivo de visualização de dados. As ferramentas utilizadas nas empresas oferecem uma escolha limitada de representações gráficas que se revelam ineficazes e sem impacto. As ligações existentes entre Business Intelligence, visualização de dados e o cérebro são mecanismos inerentes envolvidos ao consultar uma análise que contém elementos gráficos, um relatório ou um painel.

Para que serve a Experiência do Usuário?

A inteligência do consumidor representa o desenvolvimento e a fusão da visão do cliente, interação, personalização e desempenho. O objetivo é desenvolver a visão do cliente em 360 graus, facilitando a agregação e visualização de dados estruturados e não-estruturados. Desta forma, o cliente obtém uma visão holística dos consumidores (particulares, profissionais e empresas) tornada possível pela ciência de dados massivos (Big Data).

]]>
https://www.unidax.com.br/blog/2018/07/09/bi-big-data-frequently-asked-questions-faq/feed/0
Cartão BNDES para compra de software https://www.unidax.com.br/blog/2018/05/04/cartao-bndes-para-compra-de-software/ https://www.unidax.com.br/blog/2018/05/04/cartao-bndes-para-compra-de-software/#respondFri, 04 May 2018 15:25:34 +0000http://www.unidax.com.br/?p=1161Read more about Cartão BNDES para compra de software[...]]]>

Já pensou em aumentar a competitividade da sua empresa através do cartão BNDES? Com a UNIDAX isso é possível.

Somos credenciados para realizar a venda de software por meio do cartão BNDES, proporcionando maiores prazos, facilidades e benefícios para nossos clientes.

Não fique de fora dessa! Use seu cartão BNDES e substitua suas planilhas e outros métodos ineficazes de controle por um sistema desenvolvido sob medida que atenda às suas necessidades de maneira eficiente, completa e confiável.

Quais as principais vantagens do cartão BNDES?

  • Crédito rotativo e pré-aprovado
  • Prazo de pagamento em até 48 meses, com prestações fixas e iguais
  • Taxa de juros muito atrativa¹

Quem pode obter o cartão BNDES?

As micro, pequenas e médias empresas nacionais², que exerçam atividades econômicas apoiadas pelo BNDES e que estejam em dia com o INSS, FGTS, RAIS e tributos federais.

Como solicitar o cartão BNDES?

Pela Internet, através do endereço www.cartaobndes.gov.br, clique em “Solicite seu Cartão BNDES” e siga as instruções fornecidas pelo Portal de Operações BNDES.

A empresa precisa ter conta em banco para obter o cartão BNDES?

Sim, porque a definição do limite, a concessão do crédito e a cobrança são de responsabilidade do banco emissor do Cartão BNDES. A empresa poderá solicitar o Cartão BNDES enquanto providencia a abertura da sua conta corrente, caso ainda não tenha conta em um dos bancos emissores.

¹1,14% a.m. em outubro/2008. ²Empresas cujo faturamento anual seja de até R$ 60 milhões.

Para maiores informações sobre o BNDES e sobre o Cartão BNDES.

Central de Atendimento BNDES – 0800 7026337.

]]>
https://www.unidax.com.br/blog/2018/05/04/cartao-bndes-para-compra-de-software/feed/0
UNIDAX participa da Conferência Técnica Mundial sobre Dynamics 365 em Seattle https://www.unidax.com.br/blog/2017/03/24/unidax-participa-da-conferencia-tecnica-mundial-sobre-dynamics-365-em-seattle/ https://www.unidax.com.br/blog/2017/03/24/unidax-participa-da-conferencia-tecnica-mundial-sobre-dynamics-365-em-seattle/#respondFri, 24 Mar 2017 21:15:40 +0000http://www.unidax.com.br/?p=395Read more about UNIDAX participa da Conferência Técnica Mundial sobre Dynamics 365 em Seattle[...]]]>UNIDAX participou da Conferência Técnica Mundial sobre Dynamics 365! Juntamente com outros parceiros de diversos países e de, praticamente, todos os continentes, em Seattle, WA, entre os dias 12 e 15 de março, aprendemos e nos inspiramos ao interagir diretamente com os engenheiros da Microsoft, as pessoas que criaram o Dynamics 365 for Operations.

Na Conferência Técnica:

  • Mergulhamos profundamente no Dynamics 365 for Operations;
  • Compreendemos o Commom Data Model (mais conhecido como CDM);
  • Descobrimos o poder do Power BI e Cortana, que são incorporados nativamente;
  • E exploramos a profunda integração com o Office 365.

As sessões segmentadas lideradas pelos engenheiros da Microsoft forneceram o conhecimento necessário para criar e implantar o Dynamics 365 for Operations com êxito. Tivemos a oportunidade de interagir com colegas e engenheiros da Microsoft em todos os níveis, e isso nos deu a chance de obter acesso a informações e conhecimentos que raramente estão disponíveis aos demais profissionais! Nos sentimos preparados para oferecer aos nossos clientes a oportunidade de implantarem e usufruírem dessa fantástica solução, absolutamente integrada aos mais modernos conceitos de tecnologia e gestão, neste momento de profunda transformação digital.

Que venha a próxima!

Nós acreditamos. Sempre!

]]>
https://www.unidax.com.br/blog/2017/03/24/unidax-participa-da-conferencia-tecnica-mundial-sobre-dynamics-365-em-seattle/feed/0
Transformação digital com o Microsoft Dynamics 365: A próxima geração de aplicativos de negócios inteligentes na nuvem https://www.unidax.com.br/blog/2016/12/18/transformacao-digital-com-o-microsoft-dynamics-365-a-proxima-geracao-de-aplicativos-de-negocios-inteligentes-na-nuvem/ https://www.unidax.com.br/blog/2016/12/18/transformacao-digital-com-o-microsoft-dynamics-365-a-proxima-geracao-de-aplicativos-de-negocios-inteligentes-na-nuvem/#respondSun, 18 Dec 2016 14:10:56 +0000http://www.unidax.com.br/?p=392Read more about Transformação digital com o Microsoft Dynamics 365: A próxima geração de aplicativos de negócios inteligentes na nuvem[...]]]>O Dynamics 365 reúne recursos de CRM e ERP em aplicativos que funcionam perfeitamente em conjunto entre vendas, atendimento ao cliente, serviços de campo, operações, finanças, marketing e automação de serviços de projeto. Comece com o que você precisa e adicione aplicativos à medida que cresce o seu negócio.

Com a transformação digital e inteligência incorporada, será possível repensar o seu negócio:

 

 

 

 

]]>
https://www.unidax.com.br/blog/2016/12/18/transformacao-digital-com-o-microsoft-dynamics-365-a-proxima-geracao-de-aplicativos-de-negocios-inteligentes-na-nuvem/feed/0
Tecnologia móvel contra a crise https://www.unidax.com.br/blog/2016/12/09/tecnologia-movel-contra-a-crise/ https://www.unidax.com.br/blog/2016/12/09/tecnologia-movel-contra-a-crise/#respondFri, 09 Dec 2016 17:38:06 +0000http://www.unidax.com.br/?p=379Read more about Tecnologia móvel contra a crise[...]]]>Qual é o impacto da crise econômica sobre a indústria móvel? Do lado dos fabricantes a crise já chegou: pela primeira vez é esperada uma redução na venda de smartphones no Brasil. O consumidor está adiando a troca do seu smartphone e optando por modelos mais baratos. Do lado das operadoras celulares também há reflexos negativos: a base de linhas em serviço no País caiu em junho e a receita média por usuário está diminuindo.

E quanto ao segmento de aplicativos móveis, que vem crescendo a pleno vapor no mundo inteiro? É razoável esperar que apps voltados para entretenimento desacelerem seu ritmo, em razão da contenção de gastos dos consumidores. Porém, há uma extensa gama de ferramentas móveis para as quais esse momento de crise representa uma oportunidade única de expansão. Trata-se de aplicativos de produtividade ou que mesclam mobilidade e big data para ajudar pessoas e empresas a controlarem seus custos ou mesmo a encontrarem novas fontes de receita. Muitas delas foram tema de matérias neste noticiário ao longo dos últimos meses e estão listadas abaixo, divididas entre soluções para empresas e pessoas físicas.

Para empresas:

  • Controle de gastos com táxi – A maioria dos aplicativos de táxi disponíveis no Brasil, como 99Taxis, Easy Taxi e Wappa, oferecem um módulo corporativo, que permite às empresas controlarem os gastos de seus funcionários com deslocamentos de táxi. Na prática, trata-se da digitalização dos antigos vouchers de papel, o que traz uma série de benefícios, como registro em mapa dos percursos realizados e o acompanhamento dos gastos por colaborador. A redução de custos chega a dois dígitos em muitas empresas.
  • Publicidade móvel programática – Enquanto na mídia offline os anunciantes recebem apenas estimativas da audiência alcançada, na publicidade móvel é possível saber exatamente quem, quando e onde seu anúncio foi visto. E mais do que isso: dá para programar para que a sua campanha atinja apenas o seu público-alvo, seguindo critérios bastante específicos de segmentação por sexo, comportamento, localização, tipo de aparelho etc. O investimento em publicidade móvel é portanto mais assertivo e passível de mensuração, comprovando os resultados entregues. Não à toa diversas empresas desse setor relatam que cresceram dois e até três dígitos no primeiro semestre apesar da crise.
  • Controle de quilômetros rodados – Uma das maiores dores de cabeça para qualquer grande empresa é controlar e auditar os gastos de seus colaboradores em campo, especialmente quilômetros rodados. Um app brasileiro chamado Expense Mobi procura resolver esse problema. Em vez de preencherem planilhas em Excell informando quantos quilômetros percorreram, os funcionários marcam no app o início e o final de seu trajeto a trabalho. O app registra o percurso, aproveitando o GPS do smartphone, calcula quantos quilômetros foram rodados e envia automaticamente para o gestor da empresa. Também tem um módulo de controle de despesas variadas, como refeições, cujas notas fiscais são enviadas por foto. Seus criadores afirmam que, em média, a adoção do Expense Mobi reduz em 30% os gastos de uma empresa com esse tipo de reembolso.
  • mPOS – Muitos profissionais liberais e microempresários deixam de faturar porque não aceitam pagamentos com cartão de crédito. Um dos motivos é o alto custo de aluguel das máquinas de POS das redes de adquirência tradicionais. A saída pode estar em transformar o seu smartphone em uma máquina de POS, acoplando um leitor de cartão, solução conhecida como mPOS. Há diversas empresas oferecendo esse tipo de serviço no Brasil, como Bin Mobile, iZettle, PagSeguro, Payleven eSumup.
  • Pesquisas móveis – O celular pode ser um canal eficiente, rápido e barato para a realização de pesquisas de opinião. Nos últimos anos, surgiram várias empresas no Brasil oferecendo esse tipo de serviço, como MeSeems, PiniOn e OpinionBox. Para as operadoras, a Atchik recentemente criou uma solução de pesquisa via SMS, muito mais em conta e ágil do que aquela feita por ligação telefônica. O celular também tem sido usado para pesquisas de trade marketing em pontos de venda, melhorando a precisão dos dados coletados e agilizando a resposta dos fabricantes e distribuidores diante de eventuais problemas. Spring Mobile e IPDV são alguns dos fornecedores nacionais neste caso.
  • Automação de equipes de campo – Há inúmeras soluções de automação de equipes de campo disponíveis no mercado. Basicamente elas ajudam a otimizar os roteiros de ordens de serviço, economizando tempo dos técnicos e gastos com deslocamento. Alguns dos players que já foram notícia em MOBILE TIME são Clicksoftware, MC1 e Spring Mobile.
  • TEM e MDM – Soluções de gerenciamento de contas de telecomunicações (TEM) e de gerenciamento de terminais móveis (MDM) costumam reduzir em 20% os gastos das empresas e proteger o investimento feito em aparelhos. Entre os players nacionais, destaca-se a atuação da Navita nessa área, que recentemente lançou uma plataforma para pequenas e médias empresas acessarem esses serviços.

Para pessoas físicas:

  • Gestão de finanças pessoais – Muita gente tem dificuldade em gerir seus gastos mensais. Há aplicativos que podem ajudar nesse processo, como o GuiaBolso, que captura as informações de maneira automática. Para quem tem receio de entregar sua senha de Internet banking, há outras opções em que a inserção dos dados é feita manualmente, como o Mobills.
  • Renda extra – Há vários apps que podem gerar uma renda extra para as pessoas. Quem tem um quarto sobrando em casa pode alugá-lo pelo AirBNB. Quem está desempregado mas com um bom carro na garagem pode virar motorista do Uber. Quem tem coisas velhas para vender pode anunciar no MercadoLivre, OLX ou similares, tirando fotos dos produtos e publicando diretamente pelo smartphone. E quem tiver dons de artesão pode vender suas criações através do Elo7.
  • Nubank – Para quem não se conforma em pagar anuidade de cartão de crédito, o Nubank é uma boa opção. Trata-se de um cartão Mastercard platinum internacional que é todo gerido através de um app móvel, desde a solicitação e o envio de dados cadastrais, até o controle dos gastos, passando pelo desbloqueio do cartão. Mais de 400 mil pessoas já solicitaram a emissão de um cartão do Nubank.
  • Preço da gasolina no Waze – Todo mundo que tem carro e smartphone conhece o Waze. Mas nem todos os usuários do aplicativo de navegação repararam na existência de uma ferramenta de comparação de preços de combustível dentro do app. Depois de clicar em “navegar”, experimente apertar o botão “preços”, com um símbolo de uma bomba de gasolina, à esquerda, embaixo. O Waze apresentará uma lista com os postos de combustível mais próximos e seus respectivos preços para gasolina comum. As informações são atualizadas pelos próprios usuários. Os melhores preços estão coloridos de verde e os piores, de vermelho. Se clicar no nome de um posto, o Waze traz mais informações, como os preços para gasolina aditivada, diesel e etanol, além de ensinar como dirigir até lá.
  • Apps de comparação de preços – Para compras de alto valor é importante comparar preços. Sites como Buscapé e Zoom estão disponíveis na forma de aplicativo móvel e devem ter a sua utilização ainda mais popularizada em tempos de crise econômica e alta da inflação, pois ajudam o consumidor a encontrar a melhor oferta.
  • Carteira móvel – Para profissionais desbancarizados, a adoção de um serviço de carteira móvel como TIM Multibank, Meu Dinheiro Claro ou Zuum é uma forma de garantir maior segurança ao receber e realizar pagamentos, pois se evita andar com dinheiro vivo no bolso pela cidade. As operações podem ser feitas através de qualquer celular, mesmo que não seja um smartphone. Promocionalmente, o Zuum suspendeu suas tarifas para pagamento de contas e para transferências até o final do ano.
Fonte: www.mobiletime.com.br
]]>
https://www.unidax.com.br/blog/2016/12/09/tecnologia-movel-contra-a-crise/feed/0
Duas em cada três empresas brasileiras estão indo para a nuvem https://www.unidax.com.br/blog/2016/10/21/duas-em-cada-tres-empresas-brasileiras-estao-indo-para-a-nuvem/ https://www.unidax.com.br/blog/2016/10/21/duas-em-cada-tres-empresas-brasileiras-estao-indo-para-a-nuvem/#respondFri, 21 Oct 2016 14:59:06 +0000http://www.unidax.com.br/?p=369Read more about Duas em cada três empresas brasileiras estão indo para a nuvem[...]]]>A computação em nuvem é uma realidade no mercado brasileiro, revela estudo da Frost&Sullivan. Tanto é assim que 41% das empresas já estão investindo em algum modelo e 42% das empresas brasileiras estão pretendendo investir até o final de 2015. Desse último grupo, 25 das empresas estarão investindo pela primeira vez.

A maioria das empresas investe no modelo de cloud privada, mas de acordo com a consultoria, o modelo híbrido será a principal opção das empresas nos próximos anos. Esta tendência está em linha com o aumento da percepção das empresas de que o melhor modelo de negócios– on-premise, privado ou público – depende da necessidade que está sendo levada em consideração.

O levantamento da Frost&Sullivan, realizado com 313 empreas nacionais, mostra que elas estão tendo um melhor entendimento sobre o conceito de cloud computing, porém ainda possuem os mesmos receios sobre a questão da falta de confidencialidade dos dados. Com segurança sendo um importante fator para investir em cloud, não é uma surpresa que fatores como infraestrutura, conectividade e SLA são citados como os mais importantes na hora de selecionar um provedor de cloud computing.

O levantamento da consultoria mostra que, hoje, o principal desafio para os provedores de cloud computing é provar ao cliente que suas operações são seguras. Muitas empresas na região ainda acreditam que enviar informações para a nuvem as deixam mais vulneráveis.

Culturalmente, as empresas brasileiras preferem centralizar o controle, e estes executivos equalizam o uso da cloud com uma perda de controle. Estas empresas ainda não perceberam que será díficil para elas estar tão bem equipadas quanto os provedores de serviços para se defender de ameaças inteligentes.

“Os provedores de serviços de cloud precisam deixar claro aos seus clientes, os esforços que estão realizando para aumentar a proteção de dados; como por exemplo, buscando certificações,” disse Guilherme Campos, analista senior de TI da Frost & Sullivan.

“A mensagem de que os dados estarão seguros e inacessíveis para outras empresas também deve ser foco na divulgação aos clientes. Essas medidas deixarão os responsáveis pelos investimentos mais tranquilos, eliminando o principal receio das empresas e consequentemente aumentando a carteira de clientes dos provedores de cloud,” completa Campos.

No final de 2015, prevê a consultoria, aproximadamente 66% das empresas brasileiras esperam ter no mínimo algum tipo de investimento na nuvem, indicando que existe uma ampla oportunidade para todos os provedores de cloud.

Fonte: http://wmonline.com.br/
]]>
https://www.unidax.com.br/blog/2016/10/21/duas-em-cada-tres-empresas-brasileiras-estao-indo-para-a-nuvem/feed/0
Desempenho: um diferencial competitivo para apps https://www.unidax.com.br/blog/2015/11/27/desempenho-um-diferencial-competitivo-para-apps/ https://www.unidax.com.br/blog/2015/11/27/desempenho-um-diferencial-competitivo-para-apps/#respondFri, 27 Nov 2015 19:53:47 +0000http://www.unidax.com.br/?p=383Read more about Desempenho: um diferencial competitivo para apps[...]]]>O termo “tolerância zero” descreve bem o grau de paciência dos usuários com relação a aplicativos móveis com performance deficiente. Segundo pesquisa do Institute of Management Studies (IMS), quase 90% dos usuários já desinstalou um app após ter uma experiência negativa. Apesar da falta de dados similares no Brasil, o estudo apresentado pelo Mobile Entertainment Forum (MEF) no final de 2014 indica forte crescimento do Mobile Banking e Mobile Commerce no País (52% e 62% de penetração, respectivamente), o que reforça a importância de garantir uma experiência de uso adequada ao usuário.

A Economia dos Aplicativos faz-se cada vez mais presente, uma vez que todo negócio hoje, seja qual for o segmento, depende de software para prosperar. Mas, se por um lado nunca foi tão fácil desenvolver um app devido à variedade de plataformas disponíveis, por outro o mercado nunca esteve tão saturado de soluções sem real apelo aos usuários. Assim, a fidelidade do público tende a se concentrar em um número muito restrito de apps que efetivamente agregam valor ao dia-a-dia de forma funcional, enquanto a maioria dos lançamentos cai no esquecimento muito rapidamente.

Nesse contexto, as soluções de APM (Application Performance Management) voltadas para a mobilidade ganham espaço entre organizações que desenvolvem apps. Empresas de todo o tipo e porte contam com ferramentas de APM há anos para gerar uma visão “fim-a-fim” dos múltiplos elementos que compõem transações e detectar a “causa raiz” de deficiências. As soluções mais robustas podem até mesmo identificar linhas de código com problemas, permitindo que as equipes de TI atuem de forma precisa para evitar reclamações “genéricas” dos usuários, como, por exemplo, de lentidão na rede.

O “app perfeito” não deve ser visto necessariamente como um destino, mas sim como uma jornada. Dessa forma, para criar um ciclo virtuoso de melhorias e atuar de forma proativa, é fundamental monitorar o desempenho dos sistemas e processos que impactam a performance, bem como criar alertas automáticos. Afinal, por mais que a equipe de desenvolvimento tenha testado um novo app antes do lançamento, é fundamental estar preparado para “crashes”, que por sua vez devem ser entendidos na sua totalidade para suportar novas versões.

Além do aspecto técnico, um desdobramento do Mobile APM está relacionado com a capacidade de alavancar os dados de uso de apps (mobile app analytics). Várias soluções nesse segmento disponibilizam informações do tipo “quem” usa um determinado app, “onde” e “quando” o acesso é realizado e “qual” o tipo de funcionalidade mais usada. Com o APM, essas análises poderão ir mais longe e eventualmente “cruzar” padrões de uso com performance, como por exemplo verificar se a incidência de “crash” é maior ou menor entre “heavy users”.

As soluções mais inovadoras integram APM com “Mobile APM” e têm o potencial de prover uma visão integrada de múltiplos ambientes e acompanhar como eles interagem entre si. Assim, essa convergência pode reduzir a complexidade de gestão, apoiar no desenvolvimento de aplicações (móveis ou não) cada vez melhores e gerar maior fidelidade dos usuários. Do contrário, marcas que optaram por investir em apps correm o risco de não ver o retorno esperado de suas ações, bem como de frustrar os clientes atuais e potenciais.

A tendência de migração do tráfego de internet móvel de sites para apps é um fato. Além de facilitar a vida dos usuários de forma original, apps de sucesso têm em comum uma grande preocupação com o desempenho. Essa é a realidade de um segmento cada vez mais exigente.

 Fonte: www.mobiletime.com.br
]]>
https://www.unidax.com.br/blog/2015/11/27/desempenho-um-diferencial-competitivo-para-apps/feed/0
Qual é a tecnologia mobile mais adequada para um site? https://www.unidax.com.br/blog/2015/11/19/qual-e-a-tecnologia-mobile-mais-adequada-para-um-site/ https://www.unidax.com.br/blog/2015/11/19/qual-e-a-tecnologia-mobile-mais-adequada-para-um-site/#respondThu, 19 Nov 2015 17:59:55 +0000http://www.unidax.com.br/?p=386Read more about Qual é a tecnologia mobile mais adequada para um site?[...]]]>As empresas estão cada vez mais percebendo a importância estratégica de se escolher a melhor tecnologia de mobilidade para seus sites empresariais. O motivo para isso é que o mercado mobile não para de crescer. Dados do IDC (International Data Corporation) apontam que o mercado de smartphones no Brasil atingiu 94% do total de celulares vendidos entre janeiro e fevereiro de 2015. Para as empresas, isso quer dizer que aquele cliente que antes acessava seu site por um notebook ou desktop agora ou em breve o fará por um dispositivo móvel. E a tendência continua, até o ponto em que a maior parte dos acessos será feita através de dispositivos móveis.

Podemos dividir as soluções de tecnologia mobile existentes para sites em dois grandes grupos: as baseadas em servidor e as baseadas no aparelho. A principal diferença entre elas é onde o conteúdo da página é processado.

Explico: nas soluções baseadas em servidor, quando o aparelho do cliente acessa uma página do site, o servidor identifica o aparelho e envia o conteúdo na medida e especificações exatas para ele. Já nas soluções baseadas no aparelho, como os chamados sites responsivos, todo o conteúdo da página é enviado ao aparelho e este é quem tem a tarefa de decidir o que mostrar e o que ocultar, fazendo com que o carregamento seja bem mais lento.

Portanto, indico três pontos para o gestor da empresa considerar ao decidir por uma tecnologia mobile: performance, flexibilidade e liberdade.

1 – Performance – Do ponto de vista de desempenho, a pergunta a ser feita é: o tempo de carregamento de uma página impacta o meu negócio? Um site de e-commerce ou um portal será muito impactado pois como muitas compras são feitas por impulso a demora não raro faz o cliente decidir comprar depois e a venda é perdida. Nesse contexto, as soluções baseadas em servidor são melhores. Por outro lado, um site institucional de uma empresa, provavelmente, seria pouco impactado se a página demorar um pouco mais para carregar. Neste caso, uma solução baseada no aparelho, como um site responsivo, é aceitável.

2 – Flexibilidade – A questão é: a empresa está disposta a ter todas as páginas do site refeitas? As soluções baseadas em servidor não necessitam de alteração no site original. Elas permitem que o layout do site mobile seja completamente independente do site desktop.

3 – Liberdade – Não tão óbvia em um primeiro momento, essa questão é importante e está intrinsecamente ligada à anterior: quanta liberdade eu desejo ter em relação ao layout do site desktop e mobile? As soluções baseadas em servidor criam uma experiência do usuário única e excelente para cada plataforma. Já os sites responsivos criam amarras que afetam tanto o mobile quanto o desktop.

Concluo que as empresas precisam avaliar a questão mobile o quanto antes a fim de atender às expectativas dos seus públicos, acompanhar as mudanças do cenário tecnológico e garantir sua fatia no mercado.

 Fonte: www.mobiletime.com.br
]]>
https://www.unidax.com.br/blog/2015/11/19/qual-e-a-tecnologia-mobile-mais-adequada-para-um-site/feed/0
Apps de sucesso: o que as pessoas procuram? https://www.unidax.com.br/blog/2015/05/11/apps-de-sucesso-o-que-as-pessoas-procuram/ https://www.unidax.com.br/blog/2015/05/11/apps-de-sucesso-o-que-as-pessoas-procuram/#respondMon, 11 May 2015 19:01:04 +0000http://www.unidax.com.br/?p=372Read more about Apps de sucesso: o que as pessoas procuram?[...]]]>Vivemos na era dos aplicativos e não há como fugir. Contamos com estas plataformas para saber como está o trânsito, avaliar qual o melhor caminho para chegar em casa, nos comunicar com amigos e familiares – seja por mensagens de texto ou através das redes sociais – e diversas outras atividades básicas do dia a dia. Por isso, quem investir neste mercado pelos próximos anos certamente terá sucesso.

Sabemos que hoje são mais de 1,8 milhão de apps disponíveis para serem baixados. Mas se engana quem pensa que não há mais o que inventar. Se parar para pensar, há sempre uma oportunidade para criar algo inovador. Às vezes a ideia surge no momento em que menos se espera, como em uma conversa com os amigos, por exemplo. Mas quem atua nesta área não pode aguardar o conceito surgir. É preciso conhecer bem o mercado de atuação para conseguir avaliar as melhores oportunidades.

Contudo, é sabido que por trás de um simples aplicativo de troca de mensagens há uma complexa arquitetura tecnológica. O programador muitas vezes define quais são as melhores funções que pretende criar, mas há uma demora tão grande no desenvolvimento que quando o app fica pronto já surgiu outro similar. Por isso, é preciso buscar alternativas que ajudem a acelerar a criação da plataforma, como ferramentas de automatização de desenvolvimento, para que assim a maior parte do tempo investido seja na concepção de boas ideias.

E se engana quem pensa que se destacar significa criar apps ultra mega elaborados. Muito pelo contrário, fazer o simples é o mais difícil. E é exatamente isso que as pessoas querem. Um estudo realizado pela Nielsen Analytics mostra que os aplicativos de utilidade e produtividade cresceram cerca de 150% no último ano. Os usuários dos dispositivos móveis buscam facilidade e praticidade.

Mas para criar um bom aplicativo outros pontos também devem ser considerados. Um bom design, por exemplo, é fundamental, assim como uma boa usabilidade. Também não adianta desenvolver para apenas uma plataforma. Este mercado está cada vez mais divido e atingir todos os públicos é a melhor opção. Também vale ficar de olho nas avaliações que os usuários fazem de plataformas similares para não errar.

Quem acompanha o noticiário de TI sabe que os investimentos em mobilidade por parte das empresas só cresce. Uma pesquisa realizada pela IDC Analyze the Future, por exemplo, aponta que em 2015 o acesso à internet via dispositivo móvel será maior do que via PC ou notebook. Com este dado, não é difícil concluir que o número de apps só tende a aumentar.

Por isso, este setor demanda cada vez mais profissionais qualificados e preparados, que tenham boas ideias e sejam ágeis no desenvolvimento, afinal, ninguém quer perder o timing para a concorrência. Existem muitas oportunidades nesta área e os interessados em seguir esta carreira devem se preparar. Certamente, vale a pena investir na carreira de desenvolver mobile.

Fonte: http://www.mobiletime.com.br/
]]>
https://www.unidax.com.br/blog/2015/05/11/apps-de-sucesso-o-que-as-pessoas-procuram/feed/0