Duas em cada três empresas brasileiras estão indo para a nuvem

A computação em nuvem é uma realidade no mercado brasileiro, revela estudo da Frost&Sullivan. Tanto é assim que 41% das empresas já estão investindo em algum modelo e 42% das empresas brasileiras estão pretendendo investir até o final de 2015. Desse último grupo, 25 das empresas estarão investindo pela primeira vez.

A maioria das empresas investe no modelo de cloud privada, mas de acordo com a consultoria, o modelo híbrido será a principal opção das empresas nos próximos anos. Esta tendência está em linha com o aumento da percepção das empresas de que o melhor modelo de negócios– on-premise, privado ou público – depende da necessidade que está sendo levada em consideração.

O levantamento da Frost&Sullivan, realizado com 313 empreas nacionais, mostra que elas estão tendo um melhor entendimento sobre o conceito de cloud computing, porém ainda possuem os mesmos receios sobre a questão da falta de confidencialidade dos dados. Com segurança sendo um importante fator para investir em cloud, não é uma surpresa que fatores como infraestrutura, conectividade e SLA são citados como os mais importantes na hora de selecionar um provedor de cloud computing.

O levantamento da consultoria mostra que, hoje, o principal desafio para os provedores de cloud computing é provar ao cliente que suas operações são seguras. Muitas empresas na região ainda acreditam que enviar informações para a nuvem as deixam mais vulneráveis.

Culturalmente, as empresas brasileiras preferem centralizar o controle, e estes executivos equalizam o uso da cloud com uma perda de controle. Estas empresas ainda não perceberam que será díficil para elas estar tão bem equipadas quanto os provedores de serviços para se defender de ameaças inteligentes.

“Os provedores de serviços de cloud precisam deixar claro aos seus clientes, os esforços que estão realizando para aumentar a proteção de dados; como por exemplo, buscando certificações,” disse Guilherme Campos, analista senior de TI da Frost & Sullivan.

“A mensagem de que os dados estarão seguros e inacessíveis para outras empresas também deve ser foco na divulgação aos clientes. Essas medidas deixarão os responsáveis pelos investimentos mais tranquilos, eliminando o principal receio das empresas e consequentemente aumentando a carteira de clientes dos provedores de cloud,” completa Campos.

No final de 2015, prevê a consultoria, aproximadamente 66% das empresas brasileiras esperam ter no mínimo algum tipo de investimento na nuvem, indicando que existe uma ampla oportunidade para todos os provedores de cloud.

Fonte: http://wmonline.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *